Family Ties

Family Ties

You can find an alternative cover for this ISBN here."Reading Clarice Lispector's novels is like listening to a stranger unravel her thoughts and then walk out of the door, leaving behind a strong sense of character but few facts about daily life.

The "giddying sense of compassion" that a blind man introduces into a young housewife's settled existence.

Of such is made the world of Clarice Lispector, the Brazilian writer whose finest work is acknowledged to be her exquisitely crafted short stories.

Here, in these thirteen of Lispector's most brilliantly conceived short stories, mysterious and unexpected moments of crisis propel characters to self-discovery or keenly felt intuitions about the human condition.

Read Online Family Ties

Nesta fase do meu "projecto" para conhecer Clarice Lispector, penso que a minha dificuldade inicial em compreendê-la (apreciá-la, será o mais correcto) se devia a estar "viciada" em autores que escrevem a pensar no leitor (seja para lhe facilitar ou complicar a leitura). Entendo que Lispector não escreveu com a preocupação de ser lida; ou seja, escreveu porque era uma necessidade vital. Então, o seu leitor terá de se esvaziar de ideias pré-concebidas sobre literatura, e um pouco das suas próprias, para poder encontrar esta escritora única e fabulosa, vê-la e ver-se nela. Nos treze contos de Retratos de Família, a maioria das personagens são mulheres, no entanto não os podemos entender como literatura feminista pois, apesar de em determinado momento se sentirem prisioneiras, sufocadas, elas conformam-se com a sua situação, não lutam, não se revoltam, não pretendem mudar nada. Dos treze contos selecciono os oito, que pelo seu conteúdo, mais me perturbaram: (do mais mais para o mais) O búfalo Uma mulher com o coração estilhaçado por mal de amor, passeia por um Jardim Zoológico para que as bestas selvagens lhe ensinem o ódio que sare o seu coração ferido. "Eu te amo, disse ela então com ódio para o homem cujo grande crime impunível era o de não querê-la. Eu te odeio, disse implorando amor ao búfalo." O crime do professor de matemática Um homem que abandonou o seu cão, atormentado pela culpa, ao encontrar um outro cão morto enterra-o. Oh, nada de mais, apenas acontecia que a beleza extrema incomodava." Decidiu oferecê-las a uma amiga "porque uma coisa bonita era para se dar ou para se receber, não apenas para se ter. E, sobretudo, nunca para se ser." Amor Ana é uma dona-de-casa, casada, com filhos. "A piedade pelo cego era tão violenta como uma ânsia, mas o mundo lhe parecia seu, sujo, perecível, seu." Chegada à sua bonita casa, depois de um bom jantar... Pequena Flor piscava de amor, e riu quente..." Devaneios e embriaguez de uma rapariga Uma mulher casada, durante um jantar, embriaga-se e, ao observar um quadro, apercebe-se que tem "sensibilidade artística", que "nascera para outras coisas" para além de ser dona-de-casa. A lua." Uma galinha (a luta pela sobrevivência, ou o valor da vida) Uma família prepara-se para matar uma galinha para o almoço de domingo. Clarice, porém, fica para além das leituras que tenha feito, revelando uma originalidade pessoal tão intensa quanto cada um dos outros autores isoladamente a revelou também." (Lídia Jorge)

(*) Suerte è un levriero da corsa, molto simile a questo, la sua padrona lo porta (insieme ad altri tre levrieri di taglia più piccola) a passeggiare nei giardini dietro casa mia; è stato adottato per salvarlo da chi, dopo averlo sfruttato nelle corse clandestine, aveva decretato la sua soppressione (una fine che tocca a molti cani come lui). Ma Suerte non è un vecchio cane ormai inadatto alle corse: gli è stata amputata una zampa dopo un infortunio in gara. Un levriero (animale così armonioso, elegante) con tre zampe è uno spettacolo straziante, una bellezza mortificata. Un levriero con tre zampe è sempre uno spettacolo straziante quando cammina...

Publicado em 1960 ,Laços de família é uma sucessão de contos extraordinários(13 no total) a maioria discutem conflitos familiares , onde não há praticamente uma história , um enredo, mas sim uma luta, um desconforto , um espinho dentro das personagens (quase sempre mulheres 9 no total), que gera uma batalha incessante , gera uma dor constante, uma procura de si mesmo, um motivo para se viver.

Nor did it ever sport any signboard announcing "bakery." The expensive meat shop sign is gone ("Monterey") and in its stead just this simple sign: "Toasted Siopao." Siopao is a kind of Chinese dimsum: white bread, roundish, fillings (usually meat-based) and steamed. Steamed, it puffs outward, grows bigger like an expanding universe. In contrast, this Toasted Siopao isn't steamed but...what? Bite into it piping hot and once inside our mouth it explodes into a riot of bread-and-meat flavors, like long detained rampaging convicts after the prison walls had been breached. Clarice Lispector's short stories are like that. Take a look at her "Mystery in Sao Cristovao," barely just over five pages. They pass by the house with a garden and get the idea of climbing over the wall and picking some nice hyacinths for each to add to their costume. In this tight space, but with everything brimming with meaning, Lispector tells the stories of families, love, danger, youth and generations. A page longer is the short story simply entitled "Love." Principal protagonist is a young housewife. Her brothers are coming for dinner so she goes out, shops, and boards a tram on her way home. It felt like Lispector transformed Camus here into an ordinary housewife.

L'auto-genesi di cui Clarice suggerisce, e che ogni suo personaggio in questi racconti manca (è un monito), parte da un raso che non è nemmeno suolo, terra, base, ancora - è il vuoto mistico che è pieno soltanto al prezzo di acconsentire alla non-conoscenza, all'enigma. Ho il cuore pieno della peggiore voglia di vivere.

Essas mulheres, algumas, tão arrastadamente actuais, sentem-se nauseadas, interrogam a sua existência, a dívida que a vida tem para com elas; preenchem um nada com tão pouco que não lhes chega hoje;um nada que se vai arrumando todos os dias nos devidos lugares, a rotina que, enganosamente, vai satisfazendo. Correu com a rede até ao elevador, sua alma batia-lhe no peito - o que sucedia? E por um instante a vida sadia que levava até agora pareceu-lhe um modo moralmente louco de viver.(...)Abraçou o filho, quase a ponto de machucá-lo. (...) Não deixe mamãe te esquecer, disse-lhe.(...)Seu coração se enchera com a pior vontade de viver.(...) E se atravessara o amor o seu inferno, penteava-se agora diante do espelho, por um instante sem nenhum mundo no coração.

The edition I read had an excellent introduction that explained Lispector's interest in existentialism and the works of Sartre and Camus. As the translator explains, Lispector "is intent upon capturing the inexpressible in her narrative by means of unorthodox syntactical structures, staccato rhythms, and the obsessive repetition of certain key words and symbols ... While all of the stories are excellent, I particularly enjoyed "Love," "The Chicken," "The Imitation of the Rose" and - my favorite - "The Smallest Woman in the World." Here are two excerpts from "Love," the first conveying Lispector's keen psychological insight and the second her vibrant writing style: "Deep down, Anna had always found it necessary to feel the firm roots of things. She had gradually emerged to discover that life could be lived without happiness: by abolishing it, she had found a legion of persons, previously invisible, who lived as one works - with perseverance, persistence, and contentment. The unique thing itself was enjoying the ineffable sensation of not having been devoured yet. While she was not being devoured, her animal smile was as delicate as happiness." It is interesting that Lispector and Flannery O'Connor were producing around the same period, and I have to wonder if they were exposed to/influenced at all by each other's writing, as the subject matter and underlying tone of Lispector's "The Buffalo" and O'Connor's "Greenleaf" are strikingly synchronistic.

While in law school in Rio she began publishing her first journalistic work and short stories, catapulting to fame at age 23 with the publication of her first novel, 'Near to the Wild Heart' (Perto do Coração Selvagem), written as an interior monologue in a style and language that was considered revolutionary in Brazil. Upon return to Rio de Janeiro in 1959, she began producing her most famous works, including the stories of Family Ties (Laços de Família), the great mystic novel The Passion According to G.H.

  • English

  • Short Stories

  • Rating: 3.97
  • Pages: 158
  • Publish Date: January 1st 1984 by University of Texas Press
  • Isbn10: 0292724489
  • Isbn13: 9780292724488